lonely 1



Friday, July 27, 2012
baptismo de um albatroz de cinza

S.

as pernas ardem um pouco mais abaixo dos
joelhos conforme os teus lábios férteis sussurram
ar contra o tórax destruído. como um tecto
que ruiu, podem-se ver e tocar pequenos
corpos estelares atrás dos ossos, furúnculos,
animais estrangeiros com unhas luminosas,
a dançar ao redor da árvore central do corpo,
a fazer fogueiras rente à coluna vertebral.
os lábios no teu rosto pela primeira vez em
alguém apenas uma ferida feminina, com cheiro
de estames violeta, de nuvens enroladas em
vento azulado. tão teus, os lábios, entreabertos,
com o cheiro, o vazio do cheiro, e as minhas
pernas ardem, o meu fígado, os meus dentes,
as coisas mortas de mim, cabelos, unhas, isso
que está morto mas sobrevive quando morremos
e cresce um pouco, ainda. as tuas pernas ardem
um pouco ainda em torno da minha cabeça e
apertam-me e sufocam-me e quando me lembro
do teu nome não penso em princesas, penso em
serpentes com penugem que esmagam, que
constringem antes de destruirem as presas por
afogamento. as tuas pernas são anacondas que
ardem num amor que não acaba, mas os teus lábios
entreabertos não cheiram a nada remotamente ofídio.

Posted at 03:21 am by pedro tiago
impressoes (digitais ou nao)  

Wednesday, July 25, 2012
onde é que está a cédula do bicho?

onde os dentes roxos
encostam o esmalte
nas pernas das mulheres
velhas que passam pelas
ruas sem ver que

a construção desmoronou
e onde antigamente era
uma oficina de mármores
e granitos agora são paredes
com placas e sombras

onde os dedos mas mais
que os dedos as pontas
dos dedos são de pais
que levam os filhos para
casas de banho públicas
e gemem em cubículos
ao lado de outros homens
que cagam sem saber.

Posted at 07:45 pm by pedro tiago
impressoes (digitais ou nao)  

Monday, July 23, 2012
urze

"a logofagia não existe, é um mito, uma ficção."
em mundos diferentes, ou seja, num universo
linguístico que é o teu, que envolve desvios e
teorias mais científicas do que é a cabeça, o
cérebro, de como funcionam as emoções, de
como se explicam, talvez exista a logofagia,
talvez a beleza seja só um gatilho muito
concreto e básico de emoções, de hormonas,
qualquer outra coisa, que tenha a ver com
curvas, com ácidos, com sinapses. no entanto,
sempre que falas, sempre que ris, sempre
que tocas e acaricias e páras no supermercado
porque uma garrafa fazia de contrapeso num
caixote e ele cai para trás da prateleira, isso
tudo é beleza, isso tudo é capaz de salvar todos
os animais que morrem injustamente às
mãos dos homens e das doenças.

Posted at 08:48 pm by pedro tiago
impressoes (digitais ou nao)  

Thursday, July 19, 2012
loaded guns

fora uma flor e seria
um cardo mas tu
eras uma orquídea
ou pelo menos a tua
cona uma camélia
húmida. eu arranho
contra a pele.

Posted at 08:32 pm by pedro tiago
impressoes (digitais ou nao)  

nas palavras dos outros

estive
"lá"
tanto quanto possível
ao contrário de aqui
onde a ponta dos dedos
toca na base da coluna
vertebral e provoca
um arrepio. onde as
crianças perguntam
"quando dormimos
estamos acordados
noutro sítio?" e as
mães nunca lhes
respondem porque são
apenas vultos
dentro de batas
de aventais
e dessas batas
desses aventais
sobram mãos que
tocam nos olhos
tapam os olhos
inúteis das crianças.
estivémos todos

tanto quanto possível
e ouvimos as vozes
maculadas por uma
ferrugem e por um
resto de mercúrio
e vidro estilhaçado e
quando dormimos
é possível mesmo
que estejamos acordados
noutro sítio. ou então
resta-nos ver como
envelhecem as latas
de metal cuja voz
enferruja despida de
anjos de deuses só
cilindros de metal abandonados
no meio dos elementos
"terra
água
ar
fogo"
sem voz sem nada
sem nenhuma vontade
incapazes. tanto quanto
possível toquei na alma
das coisas e a alma
das coisas magoou-me.

Posted at 12:41 am by pedro tiago
impressoes (digitais ou nao)  

Wednesday, July 18, 2012
colóquio

o coração
trata-se de um
erro menor,
uma casa sem
sons, sem
habitantes.

a menos que,
de vez em quando,
se encontre
um propósito,
se ache
uma superfície
aquática -
líquida -
que reflicta
tudo
menos dor
e ansiedade.

então, o coração
não é um erro,
é um músculo
tão electromagnético
quanto os
músculos conseguem
ser.

Posted at 01:29 am by pedro tiago
impressoes (digitais ou nao)  

Thursday, July 12, 2012
exercício

este é o espaço para o teu nome.
vou sempre criar espaço para o
teu nome, ele ocupa todo o espaço,
todas as letras, todo o coração,
queima como uma revelação
bíblica, é um guarda-fatos de
fotografias. aqui é o espaço para
o teu nome, a voz para vocalizar
o teu nome, o amor escuro que
sintetiza o teu nome correndo
no meio de arbustos, fontes
e letras. e o teu nome é um
abraço musical onde te seguras.

Posted at 11:11 pm by pedro tiago
impressoes (digitais ou nao)  

Sunday, July 08, 2012
cidade

o tempo pode ter a duração
de um braço ou dos cabelos
que se deixaram nos barbeiros
e que acabam por formar um
rio com o resto do lixo, independentes
das mãos que os tocaram,
que os puxaram, dos lábios
que os beijaram, dos rostos em que
tocaram quando em cadência os
corpos se ofereciam na planta
do sexo. nem sempre os cabelos
foram lixo, objecto de asco no meio
da água, mortos, despidos de toda
a beleza possível. e é isso que o
tempo dura, uma chave que roda
com peso num cadeado, numa porta.
nunca as portas dão para algum lugar
que valha realmente a pena.

Posted at 09:22 pm by pedro tiago
impressoes (digitais ou nao)  

Saturday, July 07, 2012
s. miguel

vejo os nomes nas pedras.
piso as pedras. os nomes
nas pedras não me dizem
absolutamente nada mas
numa época que já não
a minha falaram, moveram-se
como me movo sobre
as pedras, regaram
plantas, tiveram febres,
cancros, constipações.
noutros poemas li mais
ou menos as mesmas coisas,
porque é natural pensar-se
nisto: as vidas dos mortos.
agora são nomes e não
me dizem nada, não me
comunicam nada - é também
por culpa dos dias de hoje,
a minha insensibilidade, o meu
caroço de simpatia tão difícil
de aceder por causa da carne
de egoísmo que o rodeia.
posso imaginar a vida
dos mortos dentro destes
muros, o silêncio da vida dos
mortos, as suas sombras, os
dias em que choveu muito e
apanharam doenças, os dias em
que morreram porque choveu muito,
enquanto os cavalos corriam
junto ao rio sem essas preocupações.
a minha inutilidade é que se mostra,
total e inteira, quando noto que
nem sei quem são os mortos,
e esses que a minha imaginação
ressuscita são só projectos de almas
mudas que não pertencem a nenhum sítio.

Posted at 02:12 am by pedro tiago
impressoes (digitais ou nao)  

Friday, July 06, 2012
le lieu de votre visage

traduz um espelho
deste lado
o teu corpo
queima os dedos
deste lado
dos espelhos
e a tua boca
segura esta colher
de plástico
quando comes
dos boiões com
preparado de
comida para bebés
lê um espelho
no corpo
todo
descasca um fruto
olha para um fruto
e queima os
dedos
antes de ires
embora
trabalhar a respiração
lá fora
sem abrigo
sem refúgio
dos micróbios
das pessoas
dos animais
selvagens
nem das flores
a tua pele queima
os dedos
quando descascamos
a roupa e ficas
apenas com
cabelo e olhos e braços
e ombros e nudez
e o teu rosto no
escuro
diz palavras com uma
forma assustadora
numa língua
de mamíferos
gigantescos.

Posted at 04:44 am by pedro tiago
impressoes (digitais ou nao)  

Next Page


lonely 2

…lonely gigolo…



Julia Kent - Idlewild



(a imagem do topo e a pequena, de lado, são cortesia de Edgar Libório, usadas com permissão)

   

<< August 2012 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03 04
05 06 07 08 09 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31




O Brilho das Cinzas

A língua pode renascer em qualquer altura.
O vento agita os ramos altos do cipreste;
no escuro mármore lê-se ainda o meu nome.
Morto, mas subitamente mais vivo,
ouço os vastos barulhos terrestres e o
anúncio subterrâneo da próxima catástrofe.
Rindo-me para os bichos de quem sou a fria
morada, abro e fecho os ossos do rosto
num esgar de gozo. «Em breve o meu corpo
regressará à superfície. Encontrar-me-eis,
ó gente humana, nas idênticas circunstâncias
do Juízo.» Nessa noite, os coveiros notaram
uma insólita agitação no fundo da terra.

Nuno Júdice, in O Mecanismo Romântico da Fragmentação (1972)


Alguns links:

Atom Fims
Bungle Fever
Charlie "Yardbird" Parker
Dario Mitidieri
Dead Combo
Edgar Libório
Entrance to The Neitherworld
Fat-pie
Gogol Bordello
Festival de Jazz de Valado dos Frades
João Pombeiro
John Coltrane
John Howe
JP Simões
The Kills
Mark Ryden
Menomena
Miles Davis
Morphine (fanzine)
Peter Gric
The Encyclopedia Of Arda
The Tim Burton Collective
The World Of Stainboy

Blog links:

"borderline bipolar"
A Caixa
A liga de Murphy
arco-iris
Atravessando o Inverno
conFusão
dawning dusk
diário de um coma
Do Not Disturb
draeme
draemeX
edgarLIBÓRIO
espiral
exanimatus
groze's awkward world
invers o srevni
Linha Férrea
Maps
nocturno com gatos
o amanhecer das palavras
O Blog Piegas
O Desaparecido
Ossa et Cinera
Ou o poema contínuo
Outleir
Parafernália
Pila de Porco
Poemas da minha Avó
Poeta Vagabundo
polly maggoo
Que Estranha Forma de Vida
Rasgo Sentimental
round's blog
Silent Soul
sombras
Talvez Esperança
Thoughts...
Transformadores
Trilho
viagem de uma janela



Creative Commons License
Todos os textos aqui apresentados estão devidamente protegidos por uma Creative Commons Licence.


Estes direitos estão também assegurados pelo serviço básico de copyright do alojamento na Blogdrive. Qualquer cópia, no todo, ou em parte, de um texto aqui publicado, sem a autorização expressa do autor, infringe as leis de copyright em vigor.



If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed